Hospital Alberto Rassi
Fale com a Ouvidoria Saiba como fazer parte da equipe do HGG Perguntas Frequentes Entre em contato com o HGG    




Notícias

(14/01/2019) Sertanejo itinerante leva alegria para pacientes internados no HGG

Comitiva formada por Eduardo Bassan e as gerentes de enfermagem do HGG, animou o fim de tarde de pacientes do HGG nesta terça-feira, 8 de janeiro

O sol preparava para se despedir quando o sertanejo Eduardo Bassan chegou ao Hospital Estadual Alberto Rassi – HGG, nesta terça-feira, 8 de janeiro. Com o violão nas mãos e um papel com o repertório selecionado, o músico se disse pronto para começar mais um Sarau do HGG. Se não errou nas contas, esta é a quarta vez que ele participa do projeto, e afirma que a sensação é indescritível. “Sempre saio daqui com bons sentimentos, às vezes emocionado, às vezes pensativo. Muito bom poder trazer alegria para os pacientes. Estou disponível sempre que precisarem”, declarou o cantor.

Desta vez, o músico ficou com a responsabilidade de abrir a programação musical do ano, recebendo o apoio das gerentes de enfermagem que o acompanharam nos clássicos sertanejos e músicas religiosas. A comitiva começou pelo terceiro andar, entrando em cada enfermaria, atendendo aos pedidos musicais dos pacientes, que eufóricos, filmavam e tiravam fotos com o grupo. “Aproveitei para gravar um vídeo e mandar para a minha filha. Não podia perder a oportunidade”, declarou a cabelereira Alessandra Fernandes, internada para realizar uma cirurgia bariátrica.

No mesmo quarto, a esteticista Sirlene Delfino também não perdeu tempo, e tirou fotos com Eduardo Bassan. “Escutei o barulho no corredor e saí na porta para ver o que era. Quando vi esse bonitão, com violão na mão, achei muito legal. É importante para nós participarmos desse tipo de atividade. Adorei a música, a turma é muito animada”, explicou a paciente que está internada há quatro dias aguardando para realizar uma cirurgia de vesícula.

No quarto andar, um dueto emocionou o público. O paciente idoso João Bueno de Souza, soltou o gogó e mostrou o dom que veio de berço. “Canto em serestas desde criança. Falou em alegria, falou comigo”, declarou o aposentado, após assumir o posto de primeira voz no clássico “Telefone mudo”, que fico famoso com o Trio Parada Dura. Os pacientes que dividem o quarto filmaram para mostrar para a família do seu João.

No Centro de Terapia Intensiva (CTI), um pedido inusitado. “Canta um pagode aí”, solicitou um paciente que aparentava estar bem. “Essa tal liberdade”, do grupo Só pra contrariar, foi a música para atender ao pedido de Gilser Chagas de Oliveira, 54 anos. Diabético, o mecânico explicou que está internado para tratar complicações de uma cirrose. “Peguei a doença por causa dos pagodes da vida”, disse logo após uma risada. “Estou brincando. A cirrose ocorreu devido a uma hepatite, e se agravou afetando os rins. Hoje estou bem melhor, e acho que foi o melhor dia da minha vida. Nasci de novo”, declarou.


Fonte: IDTECH





Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.