Hospital Alberto Rassi
Fale com a Ouvidoria Saiba como fazer parte da equipe do HGG Perguntas Frequentes Entre em contato com o HGG    




Notícias

(09/05/2019) Arte para pacientes: Descobrindo artistas através de sentimentos

Mais uma edição de Oficina de Arte do Hospital Estadual Alberto Rassi - HGG leva a descontração e revela novos talentos

Na tarde de terça- feira, 7 de maio, pacientes do Hospital Estadual Alberto Rassi – HGG participaram de um momento de arte, e puderam expressar suas percepções e emoções em uma tela em branco. O projeto que é desenvolvido há mais de cinco anos na unidade, que desde o início tem como professor o artista plástico Alexandre Liah. Esta edição contou com a presença de 10 pacientes e acompanhantes, que tiveram a oportunidade de desenvolver arte em tela pela primeira vez.

Os pacientes julgaram esse momento da pintura como incentivo para continuar lutando pela sonhada recuperação. Luciana Aparecida, 39 anos, vítima de paralisia das pernas, veio de Pires do Rio, interior de Goiás, e conta que nunca tinha presenciado um ambiente como esse em seu período de reabilitação. “Essa oficina é ótima para me ajudar recuperar meus movimentos, apesar de nunca ter pintado. Estava com uma tristeza, queria sair do quarto, fazer uma terapia em que sentisse o ar. A tristeza contribui muito para nossa recaída, enquanto estou aqui penso em coisas positivas para o minha melhora. Depois que comecei a pintar esqueci tudo, vivi apenas o momento, expressei tudo o que estava sentindo. O ambiente hospitalar é tão fechado e nada melhor do que sentir alegria”, declarou.

O professor e artista plástico, Alexandre Liah, acredita que esse projeto é fundamental dentro do hospital, porque mostra o talento que os assistidos têm e muitas vezes se encontra oculto. “É uma melhoria significativa, porque o paciente reage de varias formas, com a emoção e a alegria, tendo uma visão do diferente. Principalmente aqueles que nunca presenciaram uma oficina com esta. Aqui é um lugar em que as pessoas até se esquecem que estão doentes, saem da energia negativa que a doença transmite. É importantíssimo para arejar o físico e a alma do paciente”, afirma Liah.

Acompanhantes percebem a positividade

Vivenciar novas sensações para quem está há 17 dias dentro de um hospital, como acompanhante de quarto, é voltar ao mundo e alegrar com a recuperação do seu ente querido. Rosinéia Alves, 37 anos, de natural de Mineiros, interior de Goiás, veio acompanhar a filha que teve Trombose Venosa Cerebral (TVC) e durante esse período não retornou mais em casa. Rosinéia relata que terapias como esta devem ser rotineiras, pois ajuda na recuperação do doente. “É um projeto que deveria ter todos os dias, não precisa ser para todos, poderia ser para os que tivessem entrando no hospital, é melhor para que eles entendam que o tratamento é muito mais útil. Depois de 15 dias internada minha filha teve a oportunidade de sair do quarto e participar de uma atividade como esta. Devemos lembrar que a equipe de colaboradores do hospital é fundamental para nossa recuperação, foi isso que ajudou minha filha a lutar contra a enfermidade que ela está passando e me ajudou a passar todos esses dias dentro de um quarto de hospital”.

A Oficina de Arte é oferecida para 10 pacientes e acompanhantes, tendo como foco, a recuperação dos assistidos. Acontece quinzenalmente no espaço Jardim da Solistência do HGG, sob supervisão do Serviço de Terapia Ocupacional, e com o auxílio do professor e artista plástico Alexandre Liah, e psicólogos.


Fonte: IDTECH





Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.